Laranjeiras


Laranjeiras (2)

O folclore é uma das mais lembradas. São mais de vinte grupos com nomes como Reisado, Taieiras, Lambe-Sujos e Caboclinhos que costumam animar festas e feiras com frequência. Embora se reúnam para apresentações – entre elas a do Encontro Cultural de Laranjeiras, evento que existe há mais de trinta anos – cada um tem sua história, geralmente baseada em lendas. Um deles é, por exemplo, o grupo São Gonçalo, onde os homens se vestem com trajes femininos para dançar. A idéia é seguir a lenda construída em torno de São Gonçalo que, dizem, costumava dançar com prostitutas para tentar “reabilitá-las”.
Laranjeiras (3)
Assistir a uma apresentação folclórica em Laranjeiras é fácil. Além das procissões, os grupos costumam se apresentar na feira montada na praça central em todo primeiro domingo de cada mês. Também é possível visitar a Casa do Folclore, onde há indumentárias e informações sobre os grupos.

Há ainda o Centro Histórico de Tradições, bom lugar para procurar informações sobre as apresentações e conhecer um pouco da história da cidade. A própria sede é um galpão do século 19 que funcionava como alojamento de escravos e depósito de produtos. O local era estratégico para exportação, por estar às margens do rio Cotinguiba, que corta a cidade, então conhecida pelos engenhos e plantio de cana-de-açúcar.
Laranjeiras (4)
Igrejas e Museus

Visitar igrejas é um bom programa e pode levar um bom tempo. Isto por que, além de observar a arquitetura e os altares, elas podem ficar em lugares privilegiados de Laranjeiras, convidativos à contemplação da paisagem. A Igreja Bom Jesus dos Navegantes é uma delas, vista logo na entrada da cidade. Do alto de um morro, há uma vista panorâmica das casas e a vegetação ao redor.

Ao descer e caminhar pela cidade, outras igrejas vão se revelando ao visitante. A Igreja Matriz Sagrado Coração de Jesus e a Igreja Nossa Senhora da Conceição da Comandaroba estão entre as mais mencionadas e dão uma idéia da influência dos jesuítas e do catolicismo na história local.

Outra opção é entrar na antiga casa da Praça Heráclito Diniz Gonçalves, onde hoje funciona do Museu de Arte Sacra, com imagens de santos e seus nomes. O Museu Afro Brasileiro também fica no centro da cidade e exibe um acervo de fotos, documentos e telas sobre a cultura africana em Laranjeiras, cidade com passado escravagista.
Laranjeiras (5)
Há ainda a Casa de Cultura João Ribeiro, em homenagem ao escritor e poeta sergipano (ele nasceu nesta mesma casa), e outras casas históricas que se pode conhecer durante uma caminhada. Para quem pensa em ficar mais tempo na cidade, há poucas opções de estadia, mas o passeio costuma fazer parte do “cardápio” das agências de Aracaju. Como é pequena, o ideal é percorrer a cidade a pé, aproveitando as paisagens e a simpatia dos moradores da cidade.

Comentários